• Aplicativos

Segurança em aplicativos móveis: como proteger empresas e usuários

Avatar
Camila Silva
  • 25 de fevereiro de 2021
  • 5 min de leitura

Oferecer segurança em aplicativos móveis deve ser uma prioridade das empresas que oferecem esse tipo de solução aos seus clientes. Por meio dessa preocupação, trará mais credibilidade ao cliente, evitará situações que comprometem a reputação do negócio (vazamento de dados, por exemplo), além de evitar que hackers invadam sistemas e possam trazer prejuízos ao seu público – afetando o relacionamento como um todo.

Pensando nisso, elaboramos este material para que você entenda como é possível promover a segurança em aplicativos móveis, quais são os desafios e as estratégias mais indicadas. Continue a leitura e saiba mais!

Quais os desafios da segurança em aplicativos móveis?

Inicialmente, vamos entender um pouco mais sobre os desafios da segurança em aplicativos móveis. Primeiro, existe a necessidade de identificar o comportamento dos dispositivos e dos próprios aplicativos, uma vez que isso vai indicar as vulnerabilidades existentes na solução. Afinal, trará a oportunidade para a equipe entender quais dos gargalos são dos apps e quais deles são do próprio dispositivo, contribuindo para classificar os riscos.

Além disso, devemos levar em consideração que aplicativos são importantes alvos de ataques para que hackers possam ter acesso à estrutura corporativa de um negócio, principalmente se o app for da própria empresa – oferecido aos funcionários para facilitar processos.

Caso eles estejam desprotegidos por meio da engenharia reversa, criminosos inserem um código mal-intencionado justamente para roubar informações de propriedade intelectual e identificação pessoal, deixando a organização mais vulnerável. Além disso, aumentam os riscos de a empresa ser atacada por meio de chaves de criptografias expostas, ou, ainda, a partir de uma API interna utilizada para transações comerciais.

Como garantir a segurança em aplicativos móveis?

A seguir, selecionamos as principais atividades que devem ser levadas em consideração pelas empresas para garantir a segurança em aplicativos móveis. Confira!

Análise de inteligência

Com o objetivo de oferecer segurança aos usuários e à própria empresa, é preciso inicialmente que a equipe tenha amplos conhecimentos sobre a solução das mais variadas categorias. Para isso, é preciso realizar tanto a Análise de Ambiente quanto a Análise de Arquitetura.

No caso da Análise de Ambiente, trata-se de um estudo sobre o seu próprio negócio, entendendo os processos e estruturas internos para identificar possíveis riscos. Já a Análise de Arquitetura é um estudo aprofundado sobre a própria estrutura do aplicativo. Nesse sentido, existe a necessidade de entender as interfaces de rede, como funciona o gerenciamento de sessão, os dados utilizados, entre outros pontos importantes.

Faça um levantamento de riscos

Por meio da atividade anterior, a equipe tem informações suficientes sobre os riscos existentes no aplicativo mobile. Quais são as vulnerabilidades do aplicativo? Como a segurança está ameaçada? Existe alguma brecha no sistema para ataques de hackers? Assim, há a oportunidade de desenvolver contramedidas para evitar gargalos.

Portanto, entenda quais são os piores cenários que podem ocorrer no sistema – tanto para os provedores de seu negócio quanto para os próprios clientes. Ao identificar e categorizar os riscos, é o momento de tratá-los, além de elaborar um plano de contingência para que toda equipe entenda passo a passo sobre o que fazer em casos específicos.

Analise as vulnerabilidades

Existem três estratégias que podem ser adotadas para a análise da vulnerabilidade dos aplicativos: utilizando métodos estáticos, dinâmicos ou forenses.

No caso dos métodos estáticos, a equipe vai se basear em técnicas a partir da engenharia reversa, verificando manualmente ou automaticamente o código-fonte do aplicativo. Já nos métodos dinâmicos, há 2 técnicas principais:

  • monitoramento de rede – analisa o tráfego da rede em diferentes pontos;
  • monitoramento de execução – nesse caso, as comunicações realizadas entre processos internos do aplicativo serão avaliadas pela equipe, de modo que entenda a manipulação das funções e as mudanças que ocorrem com os arquivos do próprio aplicativo para a sua execução.  

Já os métodos forenses são baseados em técnicas que avaliam as informações armazenadas na execução do aplicativo, seja com credenciais salvas, seja com arquivos modificados.

Tenha sistemas de avaliação

Pode parecer simples, mas sistemas de avaliação são eficazes para gerar credibilidade ao aplicativo quando há uma preocupação com a segurança de sua audiência. Novos clientes levarão em conta a opinião de pessoas que já têm acesso ao produto para se tornarem ou não usuário.

Pense na segurança em todos os contatos feitos pelo cliente

A segurança em aplicativos móveis deve ser pensada desde o primeiro contato que o usuário tem acesso ao produto. Ou seja, já no download da solução. Assim, há a oportunidade de identificar em quais das etapas há vulnerabilidade (seja do dispositivo, seja do próprio aplicativo), de modo que as estratégias sejam mais direcionadas.

Afinal, da mesma forma que o usuário espera que a empresa cumpra com as suas obrigações relacionadas à proteção de dados, a empresa também deve estar atenta quanto aos riscos existentes ao cumprir o seu trabalho.

Esse conceito de se preocupar com a segurança a partir do desenvolvimento até a incorporação na arquitetura da solução é chamado de Privacy by Design, contribuindo para que a empresa esteja em conformidade com a regulamentação.

Considere a autenticação de dois fatores

A autenticação de dois fatores é um recurso utilizado por empresas que prestam serviços online, adicionando uma camada extra de segurança no processo de login. Assim, o usuário poderá oferecer duas formas de autenticação. Enquanto a primeira, na maioria das vezes, é uma senha, a segunda varia de acordo com as necessidades do negócio e com o nível de segurança exigido.

Entre as vantagens dessa estratégia, destacamos:

  • previne a conta do usuário;
  • é simples de configurar.

A biometria facial é um exemplo. Por meio da identificação facial, o usuário é autorizado ou não a prosseguir com as funções dentro do aplicativo móvel. Essa solução, além de ter alta precisão, oferece os seguintes ganhos para a sua solução:

  • traz segurança para o usuário ao navegar pelo aplicativo;
  • previne o ataque de hackers;
  • conta com fácil processo de integração;
  • combate a fraudes;
  • automatização do processo de segurança; entre outros.

Ofereça suporte ao seu cliente

Conforme abordamos, é essencial que a equipe conte com uma política de prevenção, especialmente em casos que houver situações extraordinárias. Nesse sentido, o indicado é que tenha um suporte ao cliente em diferentes canais, de modo que ele relate qualquer ocasião em um curto espaço de tempo, contribuindo para que a sua marca tome medidas proativas em vez de reativas.

Além disso, o ideal é que essa ferramenta seja encontrada com facilidade no aplicativo, além de oferecer na própria solução um chat para essa primeira conversa.

Criptografia de dados

Dependendo de qual seja o objetivo do aplicativo, existe um alto volume de dados sensíveis. Apps bancários, por exemplo. Ao realizar transações, independentemente de qual seja o motivo (transferência, pagamento de contas etc.), CPF, número da conta e até mesmo o endereço do usuário estão inseridos para que a atividade seja completada.

Por essa razão, a criptografia de dados se torna uma importante aliada. Entre as suas vantagens principais, destacamos:

  • evita fraudes e roubo de dados, fazendo com que fraudes se tornem mais difíceis por parte dos hackers;
  • o sistema de criptografia de dados vai proteger dados sigilosos, evitando que pessoas não autorizadas tenham acesso a eles;
  • garante a autenticidade e integridade das informações.

Avise o cliente em tempo real de movimentações no aplicativo

Independentemente de qual seja o objetivo do aplicativo, o ideal é enviar notificações em tempo real sobre qualquer tipo de movimentação. Exemplos:

  • aplicativo de delivery encaminhar uma notificação de que o pedido está sendo preparado;
  • aplicativo de instituição bancária comunicando sobre transações bancárias e contas efetuadas nos últimos minutos;
  • aplicativo de transporte encaminhando uma mensagem de que o veículo está a caminho.

Nesse sentido, o cliente tem a oportunidade de verificar, no mesmo instante, se há uma outra pessoa em sua conta, solicitando de imediato suporte de sua empresa.

Invista em análise comportamental

Além disso, seu negócio tem a oportunidade de utilizar análise comportamental, de modo que identifique comportamentos fora do padrão. Caso o login tenha sido feito em uma outra cidade, por exemplo, uma mensagem é encaminhada ao usuário para verificar se ele de fato está realizando aquelas movimentações.

Oriente o seu público

Por fim, é essencial que a sua empresa oriente o público de forma correta, trazendo informações sobre o que pode ser feito, sobre as ações que colocam em risco a sua segurança, entre outros pontos relevantes. No próprio aplicativo, coloque uma aba que traga esses dados, além de disponibilizar alertas para comportamentos vulneráveis. Além disso, em seu site, faça materiais educativos, artigos e e-books que incentivem o leitor a adotar as melhores práticas.

Neste material, você pôde identificar quais são as principais estratégias para garantir segurança em aplicativos móveis, a importância e os desafios dessas práticas. Conforme abordamos, a biometria facial será uma importante aliada nesse processo, justamente pela sua precisão e por possibilitar a autenticação em dois fatores por parte do cliente.

Se você deseja saber um pouco mais sobre o tema ou ficou com algumas dúvidas sobre a solução, entre em contato com a gente, converse com nossos profissionais e entenda!

Artigos relacionados