• Recursos Humanos

Hunting: entenda o que é e confira práticas para implementar o processo

Camila Silva
  • 10 de março de 2021
  • 5 min de leitura

Com o objetivo de que um profissional alcance o sucesso dentro da empresa, existe a necessidade de encontrar a pessoa certa para a vaga e que se encaixa com a cultura da organização. Nesse sentido, é preciso aperfeiçoar o processo de recrutamento e seleção, além de conhecer algumas das principais práticas adotadas pelo mercado. Porém, empresas que desejam se diferenciar no mercado não podem se conter com os meios passivos, buscando por outras estratégias relevantes. Hunting é uma delas.

Neste material, você entenderá qual é o significado desse conceito, quais são os diferenciais de quem investe nessa ação, além de conferir algumas dicas e erros em comum cometidos pelos profissionais de RH. Continue a leitura e saiba mais!

O que é Hunting?

Em uma tradução literal, hunting significa “caçando”. Ou seja, trata-se de uma metáfora para categorizar o ato de buscar no mercado profissionais que se encaixam com as vagas disponíveis e que atenda aos requisitos culturais e técnicos.

No modo tradicional, a empresa divulga a vaga e espera receber alguns currículos. Depois, realiza a triagem e só depois entra em contato com o candidato. Aqui, o sentido é inverso. O primeiro contato é feito justamente pela organização, realizado após identificar pontos que seriam interessantes para ambas as partes.

Além disso, não necessariamente precisa estar com uma vaga aberta. Basta identificar algumas necessidades para distintas áreas e traçar meios para preenchê-las.

Como funciona o processo de Hunting?

Na prática, como funciona esse processo? Quando analisamos o objetivo principal da estratégia, observamos grandes diferenciais para a empresa. Afinal, você terá múltiplas possibilidades de encontrar pela pessoa que mais vai se destacar em uma área ou em um cargo específico. No entanto, isso não quer dizer que dá pouco trabalho sua execução ou que é simples de se fazer.

Por isso, o profissional deve estar sempre atento ao mercado, às empresas que se destacam e às redes sociais profissionais. Além disso, é preciso contar com uma cultura organizacional sólida. Somente assim é que há a oportunidade de identificar aquelas pessoas que se encaixam com a realidade de sua organização.

A seguir, selecionamos alguns dos principais passos do processo de Hunting.

  • Primeiro, assim como em qualquer outro tipo de processo seletivo, é preciso identificar o perfil do candidato. Entenda o que a empresa busca e quais são os valores imprescindíveis que devem ser analisados.
  • Em seguida, selecione alguns dos principais canais para efetuar o Hunting. Há empresas, por exemplo, que se limitam às redes sociais profissionais (como o LinkedIn). Outras, realizam Network em eventos e demais atividades relacionadas com o nicho de atuação.
  • Independentemente de qual etapa do processo seletivo esteja, tenha transparência com o candidato. Caso ainda não tenha uma vaga em aberto, deixe isso claro no primeiro contato. Isso vai contribuir para que as tomadas de decisão de ambas as partes seja mais simplificada.
  • Ao abordar essa pessoa, tenha diferenciais claros que a convença de apostar nessa oportunidade de crescimento.

Quais as diferenças existentes entre Hunting e Search?

Conforme explicamos, há diferentes formas de recrutar um candidato. Search e Hunting são algumas delas. No caso da primeira, o RH utiliza formulários para que pessoas que desejam trabalhar preencham, disponibiliza um canal de “trabalhe conosco” em suas principais plataformas, além de realizar cadastro em sites próprios para a divulgação das vagas. Nesse sentido, pessoas se “inscrevem” e os profissionais de Recursos Humanos entram em contato assim que uma vaga for disponibilizada na equipe.

Já no caso do Hunting, há inicialmente um entendimento sobre as necessidades da empresa quanto a essa pessoa. Assim, são definidas as habilidades e competências necessárias para a vaga, trazendo insumos para o colaborador ir atrás de pessoas que tenham esse perfil.

Quais as principais vantagens de uma estratégia de Hunting?

A seguir, selecionamos algumas das principais vantagens de contar com uma estratégia de Hunting em RH. Confira!

Contratações mais efetivas

Sabemos sobre os gargalos gerados por contratações inadequadas. Consequentemente, há um aumento da taxa de turnover, impactando diretamente nos custos da empresa como um todo, bem como na produtividade do time. Existe a necessidade, por exemplo, de parte da equipe destinar parte de suas atividades para o treinamento da nova pessoa, além de haver um certo período até que haja a “rampagem” do colaborador.

Por essa razão, quanto mais efetiva for a contratação, melhor será para os resultados do negócio. Quando há um perfil pré-estabelecido, o RH terá a oportunidade de identificar as pessoas que melhor atendem a essa especificidade. Diferente do recrutamento tradicional, em que a empresa é “obrigada” a encontrar, dentro os que encaminharam o currículo, qual é aquele que melhor atende às exigências.

Preenchimento de vagas estratégicas

Existem vagas que precisam ser selecionadas de forma estratégica e cuidadosa. Cargos de liderança, por exemplo. Caso haja a opção pela busca de um recrutamento externo, é preciso que esse processo seletivo seja um pouco mais longo, justamente para identificar a pessoa ideal que vai encarar esse desafio.

Voltando ao exemplo do processo tradicional, é arriscado tentar encontrar alguém que tenha esse perfil apenas entre os currículos enviados. Afinal, mais do que apenas conhecimento técnico, o cargo exige habilidades que devem ser percebidas em uma conversa ou que tenha sido trabalhada em experiências anteriores.

Nesse sentido, por meio do Hunting, principalmente aquele feito com pessoas que já estão em outras organizações, há a possibilidade de encontrar profissionais que nem chegam a se inscrever para processos seletivos — justamente por já ocuparem uma boa posição em sua atual organização.

Processos seletivos mais curtos

Naturalmente, processos seletivos precisam de algumas etapas pré-estabelecidas para que encontre o profissional ideal para o cargo. Porém, no caso do Hunting, a parte mais “trabalhosa” é feita previamente, contribuindo para que as conversas e negociações sejam concluídas em um prazo menor.

Quais ferramentas utilizar para o Hunting?

Confira, a seguir, algumas das ferramentas mais utilizadas para Hunting.

Redes sociais

Conforme abordamos, redes sociais são um importante canal para encontrar as pessoas ideais para a vaga em questão. Além de ter a oportunidade de realizar filtros, o colaborador pode buscar pessoas de determinada empresa-referência (justamente aquelas cuja cultura é semelhante ao do seu negócio).

Testes psicológicos

Se você deseja entender um pouco mais sobre o perfil do candidato ainda durante o processo seletivo, há a oportunidade de aplicar testes psicológicos para a triagem ser mais efetiva.

Entrevistas

Mesmo o profissional recrutado deve passar por entrevistas. Afinal, é nessa etapa que o RH tem a oportunidade de entender quais são as suas experiências, quais são as suas características mais marcantes, além de comparar possibilidades para um mesmo cargo — optando por aquela que seja a mais indicada.

Quais são os principais erros ao adotar a prática de Hunting?

Confira alguns dos principais erros quanto às práticas de Hunting.

Profissional que aplicar o Hunting

Muitas empresas e setores de Recursos Humanos têm a falsa percepção de que qualquer pessoa pode aplicar o Hunting. Porém, além dos conhecimentos técnicos e empresas onde trabalhou, é preciso avaliar o perfil do candidato, entender quais são as características mais marcantes e buscar por profissionais que de fato sejam comprometidos e que estejam abertos a novas possibilidades. Por isso, trata-se de um processo que exige pessoas especializadas.

Utilizar apenas as redes sociais

Redes sociais devem ser utilizadas como apoio ao Hunting — e não como a única ferramenta. Por essa razão, busque aquelas soluções que melhor auxiliam para a prática e para as necessidades do negócio, contribuindo para contratações efetivas.

Ausência de um mapeamento de cargos

Independentemente de qual seja o tipo de processo seletivo escolhido, é essencial que a empresa conte com um mapeamento de cargos antes de iniciar o recrutamento. Muitas vezes, uma pessoa que não se encaixou para uma vaga em específico pode ser deslocada para outro setor que está com oportunidades, contribuindo para trazer um talento que se destacará na organização.

Ignorar o mercado de trabalho

Ao adotar o Hunting, é preciso ir além do que apenas entender o cenário interno da empresa. Verifique como está o mercado, saiba quais são os tipos de profissionais à disposição para analisar tudo aquilo que a área oferece.

Neste conteúdo, você pôde entender o que é Hunting em RH, quais são os diferenciais de apostar nessa estratégia, além de conferir algumas dicas práticas que podem ser adotadas. Conforme abordamos, esse tipo de processo contribuirá significativamente para reduzir a taxa de turnover. Se você deseja saber um pouco mais sobre práticas de retenção, continue no blog e boa leitura!

Artigos relacionados