Por categoria:

  • Segurança da Informação

KYC: por que o Know Your Customer é obrigatório para instituições financeiras?

Avatar
Camila Silva
  • 18 de maio de 2021
  • 5 min de leitura
infocheck

Em uma empresa, para garantir maior lucratividade, existe a necessidade de buscar estratégias que auxiliem nos resultados do negócio e ao mesmo tempo contribuam para a redução de riscos. Dessa forma, além de contribuir para lidar com oscilações e imprevisibilidade do mercado, permitem uma ágil reação sempre que houver tentativas de fraudes. Nesse sentido, a Know Your Customer, também conhecida como KYC, se destaca.

Neste conteúdo, entenda um pouco mais sobre o significado desse conceito, além de conferir qual é a sua relação com as práticas de compliance. Continue a leitura e saiba mais!

O que é Know Your Customer?

Principalmente instituições financeiras, quando existem os riscos de fraudes, lavagem de dinheiro, corrupção, entre outros riscos, existe a necessidade de contar com o KYC, obrigatório por lei. Nesse sentido, o principal objetivo inicial do KYC era evitar esses gargalos. Porém, com o tempo, esse conjunto de ações também contribuiu para que as organizações entendessem de forma mais efetiva quem era seu consumidor, de modo que o atendimento se tornasse mais personalizado.

Ao entender quem é a pessoa que consome seus produtos e serviços e qual é o seu comportamento, naturalmente é possível trazer mais segurança para a instituição, bem como para o cliente.

Por meio dessa ação, por exemplo, a empresa pode identificar quem é o cliente de baixo risco, o cliente de médio e o cliente de alto risco, contribuindo para ações específicas a cada um deles.

Qual é a relação entre o Know Your Customer e o compliance?

Agora que você já sabe o que é o KYC, chegou o momento de entendermos a sua relação com o compliance. Trata-se de uma parte essencial para a política de compliance, que, por sua vez, representa um conjunto de medidas, rotinas e demais procedimentos que permitem que a organização possa cumprir com a legislação e as diretrizes para empresas. Nesse sentido, o intuito será identificar, punir e evitar desvios que podem ocorrer nas empresas.

Quanto ao KYC, o principal órgão que atua nesse sentido é a Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro, criada em 2003. Porém, desde então, mudanças significativas vêm ocorrendo na legislação da empresa, uma vez que a transformação digital trouxe impactos para a rotina das organizações e para a relação existente com os clientes.

Como é possível implementar o KYC na empresa?

A seguir, selecionamos algumas das principais dicas para implementar o KYC na empresa. Confira!

Identificar o cliente

Antes de mais nada, é preciso entender se o cliente, de fato, é quem ele diz. Ou seja, conferir a identidade. Especialmente em uma época em que houve uma redução da burocracia nas instituições financeiras, esse processo se tornou mais desafiador por parte das empresas. Reduzir burocracia não significa deixar de fazer uma análise sobre os seus clientes, mas sim de contar com processos mais automatizados para que essa etapa seja concluída com segurança.

Nesse sentido, o reconhecimento facial se destaca. Trata-se de um software que vai mapear as características faciais da pessoa. Ao realizar esse mapeamento, os dados serão armazenados, como uma impressão facial. Essa etapa ocorre por utilizar algoritmos que comparam a imagem real com a imagem armazenada – o que contribui para verificar a identidade do usuário. 

Entre os diferenciais que isso traz para a empresa, destacamos:

  • otimização de processos;
  • redução de fraudes na organização;
  • redução de custos;
  • automatização de processos; entre outros.

Não prosseguimento com o contrato pelo risco

O reconhecimento facial é realizado durante o processo de análise de crédito. Quando há a identificação de que aquele cliente oferece um alto risco para a empresa, naturalmente vai haver um veto na continuidade dessa negociação.

Exemplo: uma pessoa que apresenta um score de crédito baixo e tem restrições em seu nome, certamente não honra com alguns de seus compromissos firmados – consequentemente, os riscos de ela se tornar inadimplente são altos.

O KYC servirá justamente para que o perfil do consumidor seja avaliado a partir de diferentes cenários. Sendo assim, a saúde da cartela de clientes fica em dia, contribuindo para a lucratividade da empresa e para o planejamento de recursos – uma vez que vai ter uma melhor compreensão do que entrará, de fato, mensalmente.

Classificação dos riscos

Em uma empresa, os riscos podem ser classificados em:

  • extremamente remoto – a chance de determinado evento acontecer (fraude ou inadimplência, por exemplo) é mais teórica do que prática;
  • remoto – nesse caso, ocorrências não são esperadas, mas são possíveis;
  • improvável – existem ocorrências de baixa probabilidade, mas que não podem ser ignoradas;
  • provável – aqui, os riscos já têm chances maiores de ocorrerem ao longo da operação;
  • frequente – pode ocorrer várias vezes durante uma operação.

É na classificação dos riscos que a empresa tem a oportunidade de definir qual será o valor de um crédito, quais seriam os juros, entre outros pontos relevantes. Por meio do KYC, o nível de exposição da instituição será relativamente baixo, garantindo os resultados almejados.

Essa questão permitirá ainda estabelecer uma relação de confiança mais sólida com o colaborador. Além de a mitigação de riscos garantir maior rentabilidade, permite oferecer mais vantagens aos clientes, uma vez que a empresa se tornará mais atraente para o público.

Automatização de processos

Entre os diferenciais de uma empresa automatizar processos, destacamos especialmente:

  • maior agilidade para as tomadas de decisão;
  • melhorias para a qualidade das ações executadas;
  • redução de custos, uma vez que vai haver menores índices de erro e de retrabalho pelas equipes;
  • aumento da produtividade dos times como um todo.

Conforme mencionamos, com a transformação digital também veio muitos pontos que precisaram ser modificados em uma empresa. A coleta e análise de dados deve ser feita de forma automática, uma vez que vai contribuir de forma significativa para que as pessoas da empresa tenham uma visão mais estratégica em vez de apenas operacional.

Monitoramento

Independentemente de qual seja o processo, a empresa deve se preocupar em monitorar de forma contínua, entender quais são os erros que precisam ser corrigidos e quais os acertos que podem ser potencializados. Nesse contexto, é preciso que o KYC também seja analisado constantemente, pois  a área de crimes financeiros é muito dinâmica – o que pode tornar os processos e análises do negócio defasados.

Qual a importância do Know Your Customer?

Por fim, confira os principais pontos que podem ser beneficiados com o Know Your Customer.

Mais segurança para as empresas

Conforme vimos, o KYC contribui para um entendimento preciso sobre a natureza do cliente. Existe a possibilidade até mesmo de identificar o seu histórico enquanto consumidor, entender se ele é de fato a pessoa dos dados fornecidos, entre outros pontos relevantes.

Nesse caso, sempre que houver padrões de comportamentos suspeitos, a empresa identifica previamente e não dará prosseguimento com a negociação. Consequentemente, os processos serão mais seguros, garantindo que o contrato firmado seja cumprido com base nos tópicos apresentados.

Evitar outros tipos de riscos

Instituições financeiras não estão propícias a erros relacionados apenas a fraudes. Lavagem de dinheiro, por exemplo, é apenas alguns desses casos. Nesse sentido, a empresa que deseja potencializar os seus ganhos e obter resultados mais efetivos deve buscar por recursos para alcançar esse patamar, o que contribui de forma direta para se tornar mais competitiva no mercado.

Processo de onboarding facilitado

O processo de onboarding de novos clientes facilitado traz dois grandes diferenciais para a empresa. O primeiro deles está relacionado a uma experiência mais positiva para o cliente. Naturalmente, ele ficará mais satisfeito com o seu atendimento, indicando a marca para amigos e familiares e contribuindo para que a empresa possa alcançar os resultados pré-estabelecidos no planejamento estratégico.

O segundo deles está na importância de identificar os dados e validar que eles de fato são reais. Esse é mais um ponto que reforça a segurança da empresa e garante que a pessoa que entrou em contato para firmar uma negociação de fato é a mesma dos documentos.

Neste conteúdo, você pôde entender o que é o KYC, também conhecida por Know Your Customer, os diferenciais para a empresa e o impacto que traz para https://unico.io/contato-unico-check/o dia a dia com os clientes. Nesse cenário, o ideal é buscar por ferramentas que auxiliem nesse processo, garantindo um melhor desempenho para a empresa.

Se você ficou interessado na tecnologia de reconhecimento facial, entre em contato com a gente, converse com nossos profissionais e tire suas dúvidas!

Conheça o unico | check
thumb
Identifique seus clientes com a maior base biométrica facial do Brasil
  •  icone Reduza fraudes de identidade
  • icone Agilize seu processo de onboarding
  • icone Reduza custos com antifraude
  • iconeElimine custos com mesa de análise
Conheça nossa solução
icone carta

Inscreva-se e fique por dentro das tendências da biometria facial.

Artigos relacionados